Dia Nacional de Combate ao Fumo reforça a importância de largar o vício

 Especialistas explicam como funciona o processo de adaptação do corpo e da mente e falam sobre os benefícios à saúde após o fim do vício

Neste domingo, 29 de agosto, é lembrado o Dia Nacional do Combate ao Fumo, responsável por mais de 8 milhões de óbitos a cada ano, e de acordo com a Organização Mundial da Saúde, a OMS, principal causa de morte evitável no mundo. Conforme a entidade, mais de 7 milhões dessas mortes são resultado do uso direto do tabaco, e o restante, 1,2 milhão de pessoas expostas ao fumo, os chamados fumantes passivos.

Os dados são alarmantes e reforçam os cuidados com o tabaco e os problemas que ele pode causar. O médico cardiologista do Hospital Anchieta de Brasília, Dr. Thiago Siqueira, destaca que há mais de 7 mil produtos químicos na produção do tabaco, dos quais 250 são conhecidos por serem prejudiciais e ao menos 69 por causarem câncer.

Ele afirma que, no sistema cardiovascular, essas substâncias deletérias aceleram o processo de aterosclerose em diferentes territórios arteriais, aumentando a incidência de infarto do miocárdio, doença arterial periférica, aneurisma da aorta e acidentes vasculares cerebrais. ‘Mulheres que fumam e usam anticoncepcionais orais, também têm mais risco de infarto do miocárdio, além de que a embolia pulmonar e tromboflebite, chega a ser dez vezes maior em relação às que não fumam e usam este método de controle de natalidade’, pontua.

Siqueira acrescenta que fumantes passivos também podem desenvolver graves doenças cardiovasculares e respiratórias, incluindo doença coronariana e câncer de pulmão. ‘Estudos confirmam que grande parte dos fumantes que conhece os malefícios do cigarro, quer abandonar o vício e nessa hora, aconselhamento e medicação podem mais do que duplicar a chance de um fumante ter êxito na tentativa de parar de fumar’, conclui.

Medicação manipulada

A consultora da Farmacotécnica, Aiessa Balest, destaca que é comum que pessoas que querem deixar o vício do cigarro procurem farmácias de manipulação em busca de alternativas naturais, mas, nem sempre é fácil tratar o tabagismo. É preciso de acompanhamento médico especializado.

Longe dos produtos naturais, a farmacêutica explica que a droga mais utilizada pelos médicos é o medicamento bupropiona, que se mostrou altamente eficaz no combate ao vício, por amenizar os sintomas da abstinência do tabaco. ‘Ele atualmente é vendido sob controle especial e precisa ser indicado por um médico especialista’, relata.

Na lista de produtos naturais, os florais e as homeopatias são medicamentos quânticos que auxiliam no momento que se decide parar de fumar, combatendo os efeitos da abstinência de nicotina. ‘A falta da nicotina causa agitação, nervosismo e baixa concentração e o uso desses medicamentos tornará essa difícil missão menos penosa, reduzindo gradativamente os sintomas e efeitos colaterais’, aponta.

‘Além disso, é possível prevenir os danos causados pelo tabagismo com formulações antioxidantes e detoxificantes, as quais neutralizam os radicais livres e limpam o organismo dos componentes maléficos do cigarro’, conclui Aiessa.

Saúde mental

A médica psiquiatra e presidente da Associação Psiquiátrica de Brasília – APBr, Dra. Renata Figueiredo comenta que a maioria das pessoas que decide parar de fumar experimenta muita ansiedade e irritabilidade. Contudo, isso não acontece porque o cigarro reduz estes sintomas. Na verdade, a falta do cigarro no organismo do dependente faz com que eles apareçam. ‘Ou seja, se a pessoa nunca tivesse fumado, não sentiria o que é chamado de síndrome de abstinência do cigarro’, acrescenta.

Segundo a especialista, o cigarro é o grande causador das alterações de humor e da piora da saúde mental, pois, além dos malefícios já conhecidos, também prejudica a autoestima, com alterações na pele, no cabelo e nos dentes. ‘Apesar de ser um período difícil, com o tempo os sintomas da abstinência somem, o cérebro se adapta à nova realidade, e o paciente se sente bem por ter conseguido passar por ele’, reforça.

Atividade física

A atividade física também é uma ótima aliada para quem está no processo de redução ou exclusão do vício do tabagismo. ‘Com sua prática frequente, o corpo libera hormônios que em quantidades altas fazem com que o sentimento de prazer seja aumentado, algo que, a longo prazo, substitui o próprio prazer que estava associado ao hábito de fumar’, explica o profissional de educação física e especialista em treinamento desportivo da Bodytech Brasília, Rodrigo Naves.

Ele conclui: ‘o exercício também melhora o estado geral da saúde, e evita doenças que são originárias do uso do cigarro’.

 

 

Fonte: Dr. Thiago Siqueira, médico cardiologista do Hospital Anchieta de Brasília | Aiessa Balest, consultora da Farmacotécnica | Dra. Renata Figueiredo, médica psiquiatra e presidente da Associação Psiquiátrica de Brasília – APBr | Rodrigo Naves, profissional de educação física e especialista em treinamento desportivo da Bodytech Brasília | Raiane Wentz, Agência Mentha Comunicação

 

(JA, Ago21)