Especialista explica como dormir bem é importante para evitar quadros de depressão durante isolamento

A quarentena pode se tornar uma experiência difícil para quem passa por ela. A necessidade de ter que se separar de familiares, amigos, a perda da liberdade e a incerteza de uma doença podem prejudicar o bem-estar mental a longo prazo.

Com o aumento dos casos de Coronavírus (COVID-19), a revista cientifica The Lancet, publicou uma revisão de pesquisa sobre os efeitos psicológicos desse tipo de isolamento durante a epidemia de SARS, em 2002, que revelou que 31% das pessoas tiveram depressão.

Uma boa noite de sono está diretamente ligada ao estado emocional das pessoas. Segundo um estudo publicado no JAMA Psychiatry, cerca de 75% dos pacientes com depressão informaram ter dificuldades para dormir ou insônia.

De acordo com a consultora do sono da Duoflex, Renata Federighi, a privação do repouso, ou a má qualidade dele, pode aumentar o risco de desenvolver esse quadro. ‘Dormir serve para regular os hormônios no organismo, como os níveis de cortisol, que é responsável por controlar o estresse, reduzir inflamações, auxiliar o sistema imunológico, além de ajustar os níveis de açúcar no sangue. Um descanso de má qualidade pode causar um desequilíbrio hormonal e desencadear algumas doenças como a depressão e a ansiedade’, explica.

Além disso, com a disseminação do Coronavírus e a necessidade de quarentena, as chances da ansiedade e o estresse aumentarem são grandes, o que afeta diretamente a qualidade do sono, ou seja, existe o risco do processo se transformar em um ciclo vicioso. Porém, a especialista explica que algumas dicas podem ajudar a conquistar um descanso revigorante e manter o bem-estar e a saúde mental mesmo neste período.

Tenha uma rotina adequada

Criar um hábito para a hora do sono é importante para o corpo e a mente. Isso vai ajudar o relógio biológico a funcionar melhor. ‘Tente dormir e acordar sempre no mesmo horário, respeitando a média de 6 a 8 horas de repouso. Procure adotar atividades relaxantes antes de dormir, como tomar um banho quente e ler um livro’, explica a especialista. Renata recomenda, ainda, que o uso do quarto seja exclusivo para dormir neste caso.

Evite o uso de eletrônicos antes de dormir

A luminosidade de aparelhos, como celulares e tablets, podem interferir diretamente na produção de melatonina, hormônio responsável por alertar nosso corpo que é hora de dormir. ‘Além disso, algumas notícias e conversas podem nos deixar mais ansiosos em períodos de quarentena. Aproveite para conversar com quem mora com você antes de deitar’, aconselha Renata.

Faça exercícios durante o dia

Mesmo dentro de casa é importante praticar alguma atividade física no decorrer do dia, afinal, não é possível desconectar a saúde da mente e do corpo. ‘Podem ser exercícios funcionais, e até mesmo Ioga. Isso ajuda a liberar hormônios como serotonina e dopamina, que são antidepressivos, e ligados ao bem-estar’, comenta. A especialista aconselha a fazer os exercícios pelo menos até três horas antes de dormir.

Cuide da alimentação

Um jantar equilibrado e saudável vai ajudar a ter uma boa noite de sono. Evite gorduras, massas, e energéticos – como café e chocolate, que podem tirar o sono.

Use o travesseiro certo

Item essencial para manter o conforto durante o sono, o travesseiro deve auxiliar na postura durante a noite. ‘Ao dormir, tente escolher a postura lateral, a mais indicada pelos ortopedistas. O travesseiro deve preencher o espaço entre a cabeça e o colchão, mantendo o pescoço alinhado com a coluna cervical. Isso traz o conforto desejável, e evita pequenos despertares’, conclui a consultora.

Fonte: Renata Federighi – consultora do sono, Duoflex,    |    Andressa Vilela,  Dezoito

(JA, Abr20)