Há quem diga que a juventude é a melhor época da vida. No entanto, a senioridade talvez possa ser considerada a mais almejada. Afinal, quem não quer viver oitenta anos, noventa, ou até ser centenário? É importante ressaltar, no entanto, a enorme diferença entre viver e sobreviver, o que chamamos de qualidade de vida.

Não apenas o Brasil, mas todo o mundo está passando por um processo de envelhecimento populacional. É natural, então, que essa pauta venha cada vez mais à tona. Segundo um estudo da Fundação Getúlio Vargas – FGV, divulgado em abril deste ano, os idosos representam 10,53% da população brasileira, um aumento de 20% em relação a 2012, quando a proporção de idosos era de 8,8%. Em 2050, esse número será ainda maior. Por isso, garantir uma boa qualidade de vida para essa parcelada da população é tão crucial.

Complementar ao estudo acima, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, a expectativa de vida continuará em ascensão. A informação mais recente é que ela se aproxima dos 80 anos em estados como Santa Catarina (79,1), Espírito Santo (78,2), Distrito Federal e São Paulo (ambos com 78,1). No restante do território nacional, também foi registrada uma alta. À medida em que a população se tornar mais idosa, veremos mais pessoas em busca de atividades que promovam autoestima, bem-estar, e, claro, felicidade.

Os idosos já viveram o que a sociedade geralmente considera como ‘anos de ouro’, e sabem o que a vida tem a oferecer. E eu garanto que, por trás dos passos atentos e vagarosos, há pessoas que desejam viver o mais ativamente possível, ainda que com algumas limitações. Permitir que esses indivíduos tenham qualidade de vida proporciona saúde, tanto física como emocional, além de, claro, trazer prazer e satisfação.

O English Longitudinal Study of Aging – ELSA , maior estudo britânico sobre longevidade, fez uma análise com 3200 pessoas e constatou que os indivíduos com mais de 60 anos que se sentiam mais satisfeitos com a vida, apresentavam menos limitações na realização de suas atividades diárias. Sendo assim, é possível verificar que existem diferentes fatores que proporcionam essa sensação positiva, entre eles ser ativo e se sentir útil, aproveitar a vida, realizar sonhos, socializar com familiares e amigos, fazer planos para o futuro, e investir em qualidade de vida.

Para que a pessoa permaneça tão ativa quanto na fase adulta, ou, ainda, desenvolva hábitos saudáveis de desenvolvimento social, cognitivo e físico, durante a fase idosa, um fator que influencia, e, muito, para realização de atividades satisfatórias e que geram bem-estar e prazer, é incentivo de familiares e de amigos.

Gosto sempre de lembra que a prática constante de atividades físicas, nesse sentido, pode melhorar a mobilidade, e aliviar as dores. Além disso, a alimentação adequada garante mais disposição e saúde. Ambos, é claro, sempre guiados pela ajuda de um profissional. Normalmente, quando chega a fase idosa, algumas famílias optam por cuidados multidisciplinares para proporcionar cuidado, de acordo com as necessidades específicas.

A socialização é um fator de extrema importância para uma longevidade agradável, e com felicidade, seja a convivência com a família ou com amigos. As relações humanas amenizam os sentimentos de solidão e a carência, comuns nessa fase. É evidente, contudo, que a pandemia e a obrigatoriedade de distanciamento social dão outro peso a essa necessidade. Mas, há alternativas como artesanato, pintura, culinária, jardinagem, e outras opções de lazer. A tecnologia tem sido uma importante aliada durante esse período. É possível se conectar via telefone, e-mail ou vídeo chamada, amenizando um pouco a sensação de isolamento.

Neste momento, muitos idosos descobriram ou estreitaram suas relações com a internet, o que, além dos contatos com conhecidos, estimula a possibilidade de realização de cursos,  aprendizados.

É importante considerar que a qualidade de vida está diretamente ligada às preferências, e à rotina de cada um. O que diverte alguns, pode deprimir outros.

A chave é ouvir, e estar disposto a mostrar opções. Como disse anteriormente, a família é fundamental no processo de manter o idoso ativo, e proporcionar atividades de socialização faz parte disso.

Manter-se ativo é fundamental para que o ócio, tão almejado por jovens e adultos, não se torne algo prejudicial. Ter a mente vazia pode ser especialmente danoso para os indivíduos com mais de 60 anos, considerando a quantidade de tempo livre disponível. Quando esse tempo envolve muita solidão, pode gerar quadros clínicos de doenças emocionais, como ansiedade, stress e depressão.

Uma pesquisa liderada pelo IBGE revelou que a depressão é a doença mais comum nos brasileiros entre 60 e 64 anos. Já um levantamento do Núcleo de Estudos em Saúde Pública e Envelhecimento da Fundação Oswaldo Cruz e da Universidade Federal de Minas Gerais mostrou que, de 1997 a 2012, o consumo de antidepressivos por idosos passou de 8,3% para 23,6%. Por isso, processos de socialização são tão necessários.

Sendo assim, é preciso lembrar constantemente que nossos idosos precisam de atenção direcionada, cuidado, carinho, e equipe médica especializada. Atentar-se a essas necessidades, e buscar a qualidade de vida, beneficiam, não somente os idosos como seus familiares, pois garante a ambos tranquilidade e bem-estar.

E, para fechar: proporcionar qualidade de vida aos idosos de hoje é também garantir e aprimorar a nossa, no futuro.

Fonte: Dra. Ana Catarina Quadrante, Geriatra e coordenadora médica da Cora Residencial Senior. Formou-se na Faculdade de Ciências Médicas de São Paulo e fez residência em clínica médica no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e, também, em geriatria e gerontologia. Tem pós-graduação em aperfeiçoamento em cuidados paliativos pelo Instituto Sírio Libanês de Ensino e Pesquisa.

(JA, Dez20)