A capacidade de superar situações adversas (também conhecida como resiliência) demonstrou ter efeitos positivos na saúde geral e na qualidade de vida.

Um novo estudo descobriu que a resiliência também está ligada à saúde sexual, e a uma melhor qualidade de vida da mulher, durante a transição da menopausa. Os resultados do estudo foram publicados na Menopause.

A transição da menopausa pode ser considerada uma situação adversa para a maioria das mulheres, pois envolve um longo processo de adaptações, que podem causar sentimentos negativos e humor deprimido.

A transição para a menopausa envolve mudanças físicas, psicológicas e sociais, que podem ter um efeito severo na qualidade de vida geral da mulher. Além disso, as mulheres na menopausa também são mais vulneráveis ​​à disfunção sexual, como resultado de mudanças em seus corpos durante a transição.

A disfunção sexual feminina (DSF) pode ser definida como a incapacidade das mulheres de participar de uma relação sexual como gostariam. É um problema multifatorial que pode incluir falta de satisfação com a atividade sexual, desejo sexual reduzido, dor com a atividade sexual, excitação deficiente, ou dificuldade em atingir o orgasmo.

Estudos anteriores mostraram que a satisfação sexual está associada à qualidade de vida geral em mulheres na menopausa, com menor bem-estar geral em mulheres sexualmente insatisfeitas.

Este novo estudo, envolveu 101 mulheres sintomáticas na menopausa, sendo a primeira vez que a pesquisa se concentrou no efeito da saúde sexual de mulheres na menopausa, e na sua qualidade de vida. Descobriu que:

  • Os escores de resiliência foram significativamente maiores em mulheres com altos escores de função sexual
  • A qualidade de vida relacionada à menopausa foi significativamente pior em mulheres com baixa resiliência.

Como resultado, os pesquisadores concluíram que a resiliência da mulher está ligada à sua saúde sexual, bem como à sua qualidade de vida durante a transição da menopausa.

Os resultados do estudo estão publicados no artigo ‘Resiliência e saúde sexual entre mulheres na menopausa: um estudo transversal’.

‘Esse estudo destaca os potenciais efeitos protetores da resiliência no que se refere à saúde sexual, em mulheres na menopausa. Essa capacidade permite que mulheres se adaptem às mudanças, resistam ao efeito negativo dos estressores, e retornem à função normal mais rapidamente, após eventos adversos. Felizmente, esse conjunto de habilidades pode ser fortalecido, representando potencialmente outra ferramenta que os médicos podem usar para ajudar as mulheres com disfunção sexual’, diz a Dra. Stephanie Faubion, diretora-médica do NAMS.

Fonte: Rubens de Fraga Júnior é professor da disciplina de gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná e é médico especialista em geriatria e gerontologia pela SBGG | Resilience and sexual health among menopausal women: a cross-sectional study, Menopause (2022)

 

(JA, Mar22)