Um suplemento do The Journals of Gerontology Series B recentemente enfocou a importância da motivação para um envelhecimento saudável. O estabelecimento de metas é a chave para cumprir nosso potencial na velhice.

Gerontólogos acreditam que a motivação aumenta a saúde mental, estimula a criatividade, incentiva a promoção de escolhas de estilo de vida saudáveis, ​​e espalha a compaixão.

As metas são essenciais para um envelhecimento saudável. Metas são os estados que as pessoas consideram particularmente desejáveis, e querem alcançar. Elas fornecem direção e significado, que motivam a adquirir novas habilidades, ou a manter o funcionamento, e dão um senso de controle para moldar suas vidas de acordo com seus valores.

Não é apenas o estabelecimento e a busca de metas que são importantes. Para um envelhecimento saudável, é fundamental se desligar de objetivos que não são realistas, focar o propósito de vida, conforme definido pela cultura, estruturas sociais, organizações, relacionamentos, e tecnologia disponível. A motivação é basicamente a iniciativa para se realizar dentro das possibilidades individuais.

Muitos idosos dizem que se sentem melhor quando permanecem orientados a objetivos daqui e agora, e sentem orgulho quando alcançam seus objetivos. A motivação pode ser uma ferramenta para combater o estresse inevitável da vida diária, além de estimular a criatividade, e melhorar a cognição.

Subsequentemente, isso leva ao sucesso em todas as áreas da vida, incluindo relacionamentos e desempenho profissional; ajuda a cultivar um senso de identidade mais forte, o que geralmente leva a uma melhor saúde física e bem-estar geral.

Indivíduos motivados tendem a comer refeições mais saudáveis e balanceadas, e se exercitar com mais frequência. A motivação permite que nos sintamos humanos e conectados uns com os outros. Muitas pessoas questionam o propósito da vida e se sentem perdidas e desamparadas, sem a motivação que nos permite espalhar compaixão e positividade e, ao mesmo tempo, atrair mais pessoas positivas e generosas.

O que nos motivou aos 20 anos, provavelmente não nos motivará aos 60. No entanto, permanecer motivado ao longo de nossa vida é importante para nossa qualidade de vida.

Foi o psicólogo do desenvolvimento, Erik Erikson, quem delineou a série de estágios de desenvolvimento psicossocial durante a vida de uma pessoa, e postulou que entramos no estágio final (integridade versus desespero) por volta dos 65 anos.

Quando estamos na casa dos 20 anos, o problema que enfrentamos é a intimidade versus o isolamento, o que nos motiva a encontrar e construir relacionamentos saudáveis, ou acabaremos sozinhos. Aos 60 anos, o problema é generatividade versus estagnação, o que nos motiva a ter sucesso em nosso trabalho (profissional ou voluntário) ou acabamos entediados e apáticos.

Os especialistas concordam que, ao longo de nossas vidas, a motivação nos ajuda a permanecer engajados, e a nos sentirmos produtivos e valiosos – tudo isso é importante para uma boa saúde mental.

Embora a motivação seja uma ferramenta fundamental para definir e alcançar metas, ela é diferente para cada pessoa. A motivação intrínseca (interna) vem de dentro, e é baseada em valores e desejos de cada um. Muitas vezes, isso pode ser uma forma de motivação muito poderosa. Por outro lado, a motivação extrínseca (externa) vem de fora; por exemplo, um cheque de pagamento ou bônus de fim de ano. Saber o que o motiva, e como ativar sua motivação, ajudará a definir e atingir seus objetivos.

Estar motivado desde tenra idade pode configurar a pessoa para um futuro bem-sucedido. Hábitos bons e saudáveis, estabelecidos desde o início da vida, proporcionarão recompensas mais tarde. Por exemplo, uma pessoa que começa a se exercitar muito cedo, tem mais probabilidade de continuar se exercitando ao longo da vida; uma pessoa que desenvolve o hábito de ler todos os dias, ajudará o cérebro a manter um bom funcionamento cognitivo no passar dos anos.

Se você sentir que falta motivação em sua vida, comece com o básico – fazer uma caminhada cuidadosa, ou se envolver em alguma forma de atividade física, para liberar endorfinas e melhorar seu humor.

Tente escrever frases de gratidão, descrevendo todas as coisas que ama em si mesmo, e as coisas que conquistou. É normal se sentir solitário ou triste às vezes, e listar coisas pelas quais você é grato (física, emocional e espiritualmente) pode ser extremamente terapêutico, trazendo para o consciente as conquistas diárias.

Fonte: Rubens de Fraga Júnior, professor titular da disciplina de gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná (FEMPAR) e é médico especialista em geriatria e gerontologia pela SBGG

 

(JA, Nov21)