A relação entre distintas gerações (Intergeracionalidade) é estabelecida inicialmente pela família, por meio de apoio emocional dos pais para com os filhos, dos avós com os netos.

Um estudo realizado pela Universidade de Oxford comprovou que a companhia dos avós é benéfica para seus netos. Mas não é preciso ir tão longe para perceber como o avô (ou a avó) tem papel fundamental na vida dos netos.

O nascimento do bebê desperta sensações únicas na mãe e no pai, mas os parentes e amigos participam desse momento, e de muitos outros, havendo inclusive o desenvolvimento de laços afetivos.

Com os avós esse laço é especial, e tem suas peculiaridades – acontece aos poucos e, conforme eles se mantêm próximos aos netos, torna-se cada vez mais forte.

Apesar de ser tarefa dos pais cuidar da criança, e participar ativamente do seu desenvolvimento, os avós podem ter uma grande influência positiva. As crianças que frequentemente passam um tempo na companhia dos avós, são emocionalmente mais saudáveis, o que é comprovado cientificamente.

Promover a união entre duas gerações é sempre benéfico para ambos. A criança pode aprender a lidar melhor com os próprios sentimentos, nomear e compreender certas regras sociais já bem estruturadas para os idosos, entender pontos de vista diferentes do seu, lidar com as próprias limitações, e se conscientizar que não está só.

Os idosos que, muitas vezes, são rotulados como limitados, retrógrados e inúteis, ficam mais tranquilos, seguros de sua ‘utilidade’ e, também, com maior interesse pela vida.  Tudo isso os incentiva e os leva a participar de forma mais dinâmica na sociedade.

Além disso, as pessoas idosas permanecem mais ativas, física e psicologicamente, e podem aprender, por exemplo, as novidades tecnológicas com os mais novos, facilitando em muito sua vida. Podem realizar compras online, entrar em contato com pessoas que estão distantes, fazer novas amizades de acordo com seus interesses, aumentar sua rede de informações, etc..

Tudo o que acontece na relação avós e netos tem um valor imenso para ambos, e a troca entre eles fica cada vez mais próxima e saudável. Como avós, eles têm muita liberdade para lidar com a criança, mesmo diante da necessidade de serem responsáveis e respeitarem a educação que está sendo dada pelos pais.

Valores, crenças, modelos de criação, e pontos de vista, podem diferir muito entre pais e avós, mas o respeito mútuo, e o contato permanente da criança com ambos, aproxima e beneficia a família toda.

 

Fonte: Michelle Perez Alves Xavier,  Psicóloga

 

(JA, Fev21)