Em 1966, os Beatles falam da situação de pessoas idosas solitárias no imaginário popular, com Eleanor Rigby; uma canção que virou a música pop de ponta-cabeça quando ficou em primeiro lugar nas paradas britânicas por quatro semanas.

Hoje, o impacto da solidão na velhice na expectativa de vida e saúde foi categoricamente quantificado pela primeira vez em um estudo realizado por cientistas da Duke-NUS Medical School (Cingapura), Nihon University (Tóquio, Japão) e seus colaboradores, publicado em o Journal of the American Geriatrics Society.

‘Descobrimos que idosos solitários podem viver uma vida mais curta do que seus pares que não se sentem solitários’, disse o principal autor do estudo, o professor assistente Rahul Malhotra, chefe de pesquisa do Centro de Pesquisa do Envelhecimento da Duke-NUS e Educação (CARE). ‘Além disso, eles têm sua vida mais curta, perdendo anos potenciais de boa saúde’.

A professora associada Angelique Chan, diretora executiva da CARE e autora sênior do estudo, observou que, ‘além de ser o ano associado à doença coronavírus, 2019 também foi quando o número de adultos com mais de 30 anos representava metade da população global total, pela primeira vez na história, marcando o início de um mundo cada vez mais envelhecido. Em consequência, a solidão entre os idosos se tornou um problema de preocupação social e de saúde pública’.

Principal descoberta: a solidão tem consequências físicas reais!

Os resultados do estudo mostram que as pessoas de 60 anos que se percebem às vezes como sozinhas, ou principalmente solitárias, podem esperar viver de três a cinco anos a menos, em média, em comparação com seus pares que se percebem como nunca solitários. Da mesma forma, aos 80 anos de idade, pessoas idosas solitárias podem, em média, esperar viver dois a três anos a menos, em comparação com seus pares não solitários.

Usando o mesmo conjunto de dados, os pesquisadores descobriram que a percepção de solidão tem um impacto semelhante em dois tipos de expectativa de saúde – anos restantes de vida vividos em um estado auto avaliado de boa saúde, bem como anos restantes de vida vividos sem serem limitados, conseguindo praticar atividades da vida diária. Essas atividades incluem rotinas como tomar banho e vestir-se, levantar-se ou se deitar na cama ou cadeira, e preparar as refeições.

‘Com os idosos correndo um risco de maior de solidão como resultado das medidas de controle da pandemia, tem havido um interesse crescente nas políticas e ações contra a solidão em todo o mundo’, disse o professor Chan. ‘Em 2018, o Reino Unido lançou uma estratégia nacional para combater a solidão e, em 2021, o Japão nomeou um Ministro da Solidão. Esperamos que este estudo ajude a galvanizar mais políticas para combater a solidão entre os idosos’, disse.

 

 

Fonte: Rubens de Fraga Júnior, professor titular da disciplina de gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná. Médico especialista em geriatria e gerontologia pela SBGG | Assessoria de Imprensa Instituto Presbiteriano Mackenzie

(JA, Jul21)