Embora os esquecimentos sejam relativamente comuns na terceira idade, nem sempre eles são normais. Em alguns casos, a dificuldade para se lembrar de fatos e pessoas pode estar associada a problemas sérios. Quer saber quando o esquecimento em idosos se torna preocupante? Qual é o momento oportuno para ligar o sinal de alerta e intervir? Quando o esquecimento é sintoma de demência?

Quando a perda de memória gera impactos sociais

Existe o esquecimento benigno e o esquecimento maligno. O benigno não gera grandes problemas para pessoa, e pode ser resultado, por exemplo, do excesso de informações ou sobrecarga de trabalho. Já o esquecimento maligno, tem a ver com síndromes demenciais, que podem trazer impactos para as funções sociais do indivíduo, comprometendo diretamente suas relações interpessoais e, até mesmo, as habilidades profissionais.

Quando o idoso se esquece até mesmo das pessoas mais próximas

Esquecer onde colocou a chave, ou não lembrar o nome de determinado ator, é aceitável, mas, quando o idoso se esquece do nome de um filho, ou não lembra que certa pessoa é seu parente, esse quadro é preocupante. Trata-se de um forte indício de Alzheimer, a forma mais comum de demência na terceira idade.

Quando há dificuldade para lembrar de coisas corriqueiras

Comece a se preocupar quando o idoso apresenta dificuldade para se lembrar de coisas corriqueiras, como por exemplo, o nome da rua onde mora, o próprio telefone e, até mesmo, a data de pagamento de uma conta. Se ele passa a cometer muitos deslizes no trabalho, e apresentar problemas para realizar tarefas simples, redobre a atenção.

Quando a memória recente falha

É comum que o idoso com síndrome demencial se lembre de fatos muito antigos, do passado, e se esqueça de ocorrências recentes. Por isso, não estranhe se ele for capaz de contar detalhes da sua juventude, e não conseguir se lembrar do que comeu ontem no almoço. Quando há uma síndrome demencial, a pessoa primeiramente vai se esquecendo de recados, nomes de pessoas próximas, e novas informações.

Quando os esquecimentos se tornam frequentes

Quando os esquecimentos ocorrem esporadicamente, e se a falta de memória vem depois de um dia intenso e marcado por acontecimentos tristes, isso não é preocupante. É natural que a pessoa não se lembre de tudo sempre. Em meio à correria cotidiana, esquecimentos eventuais são justificáveis. Se preocupe, no entanto, se esses esquecimentos se tornarem recorrentes.

 

 

 

Fonte: Dr. Heloisio Rodrigues, Geriatra

 

(JA, Fev22)