Os cabelos são parte do nosso corpo e, como tal, passam por mudanças também. Uma delas é a perda da cor, mas você sabia que o embranquecimento dos fios não é causado somente pela idade avançada?

Apesar de ser uma mudança clássica e muito relacionada a isso, você já deve ter visto pessoas jovens com os cabelos grisalhos. Então, qual o motivo dos cabelos perderem a cor? Nosso corpo produz uma substância chamada melanina, que dá a coloração da pele, unhas, olhos, pelos e cabelos. Conforme o tempo passa, sua produção diminui e, consequentemente, os cabelos começam a ficar brancos.

Mas, além disso, outros fatores, como a genética e picos de estresse, podem causar o embranquecimento, deixando muitas pessoas jovens com alguns fios brancos. Sabemos que esse é um processo natural do organismo, mas, sabemos também que cada pessoa lida de uma forma com as mudanças decorrentes do envelhecimento.

Existe uma diferença em relação a construção social do que significa ser uma pessoa velha para homens, e para mulheres. Resumidamente eles ‘ficam charmosos’. Elas, por sua vez, quando decidem assumir as madeixas ao natural, são consideradas desleixadas.

A cobrança que a sociedade exerce sobre o corpo da mulher, inclusive nesse caso, desperta sentimentos negativos, e uma autopercepção distorcida. Logo, a mulher velha, ou é pouco vista ou se esconde, desejando não ser descoberta. É fato que esse olhar está mudando aos poucos, mas ainda existe muito preconceito.

Para as mulheres, assumir seus fios brancos é, também, assumir sua velhice. E, com isso, a impossibilidade da juventude e tudo atribuído a essa etapa da vida.

Muitas mulheres sentem essa fase da vida de forma muito mais intensa que os homens, pois sua aparência, saúde física, e relacionamentos, já não são mais os mesmos da juventude, o que pode culminar em tristeza, ou até mesmo depressão.

Logo, aceitar os próprios cabelos brancos é corroborar com o preconceito da sociedade, e se perceber indesejada, à margem, sem possibilidades presentes, muito menos futuras.

Antes de falar sobre o significado dos cabelos brancos, será preciso um processo de imersão na própria história, a desconstrução de estereótipos, e a ressignificação de tudo que foi aprendido desde a infância.

Como somos seres biopsicossociais, esse movimento não acontece isolado, pois, além dos cabelos, existem outras transformações físicas, mais as representações sociais, e o processo psicológico.

A pressão é grande, e está em todos os lugares. O tempo todo estão nos dizendo (mesmo que subliminarmente) que ser velha é ruim, que esse é o início do fim, e que, por isso, é melhor parecer jovem, e fingir que ‘mulher não envelhece, fica loira’.

Mas isso é tapar o sol com a peneira, pois todos estamos num constante processo de envelhecimento. Numa busca rápida pela internet é possível encontrar anúncios de cosméticos que prometem acabar com os fios brancos, além de vários ensinamentos sobre como disfarçar a idade pintando os cabelos.

Pintar ou deixar ao natural, não é a questão. Mas, sim, ter autoconhecimento para decidir o que quer, e ficar bem com isso. Atualmente vemos uma grande quantidade de mulheres assumindo os cabelos brancos, e isso é positivo.

Porém, é preciso ir além das tendências da moda, e se certificar de que, independentemente do que vem a seguir, você estará bem com a decisão. Isso não quer dizer que é irreversível, mas sim, que, no momento da escolha, você estava inteira, e pesou os prós e contras.

A partir desse olhar, já desconstruído, as mudanças relacionadas ao envelhecimento são vistas de outra forma. É preciso dar atenção às necessidades desse momento (físicas, psicológicas, ou quaisquer outras), e lembrar que as mudanças ocorridas nesse período são naturais, pois todas as idades passam por transformações.

Por isso, ter com quem falar e, mais que isso, ter um espaço para se olhar, entender as próprias necessidades, e assumir as próprias escolhas, faz toda a diferença.

Vamos levar informação e acolhimento a todas as mulheres para que elas saibam que não estão sozinhas.

 

 

Fonte: Michelle Perez Alves Xavier, Psicóloga, CRP 06/129104

 

(JA, Ago21)