O ortopedista pode tratar as lesões musculoesqueléticas decorrentes de traumas (Traumatologia), e, na ortopedia, esses profissionais cuidam desde deformidades congênitas, até as degenerativas, decorrentes do processo de envelhecimento. Ainda há a área de medicina esportiva, onde atuam no tratamento e prevenção de lesões induzidas pelo esforço e sobrecarga dos treinamentos e exercícios físicos.

Um fato muito importante, que deve ser salientado, é que muitas vezes os pacientes buscam o ortopedista quando a lesão já está mais avançada, o que dificulta o tratamento e o controle da dor. Quanto mais cedo qualquer lesão for diagnosticada, mais adequado e rápido o tratamento será, além de diminuir a necessidade de uma cirurgia.

Na traumatologia, por exemplo, é preciso diagnosticar e tratar o paciente o quanto antes. Caso o paciente não comece o tratamento logo após o diagnóstico, a lesão pode apresentar um prognóstico pior. As fraturas não tratadas logo no início podem precisar de uma intervenção cirúrgica para colocar o osso no local adequado e fixar.

No caso de deformidades degenerativas, como uma hérnia de disco e tendinite, é importante que o paciente procure um ortopedista nos primeiros sinais de dor. Com um diagnóstico precoce, o médico pode dar um melhor tratamento, com um período de reabilitação mais rápido e um melhor controle da dor.

Ortopedia na pandemia

Assim como diversas áreas da saúde, a ortopedia sofreu uma queda dos números de diagnósticos precoces. Isso se deve ao medo de muitos pacientes em se contaminarem com o novo coronavírus, já que muitas vezes precisariam procurar um hospital para tratar as lesões. Há também pacientes que já estavam fazendo tratamento e acompanhamento de alguma lesão, e pararam com os procedimentos por conta da pandemia. Nesses casos, as lesões podem ter uma progressão ruim, além de causar dores mais difíceis de serem controladas.

Até em atendimentos de traumatologia, houve uma piora nos diagnósticos. Um exemplo foi um pé fraturado – o paciente havia quebrado o pé, não buscou atendimento médico, e andava de maneira errada, piorando a fratura, que poderia ser tratada de maneira conservadora, e sem cirurgia.

Fica evidente que nesse período de pandemia, a demora no atendimento pode causar prejuízos ainda maiores para a saúde do paciente.

Fonte: Henrique Mansur, médico ortopedista, especialista em pé e tornozelo | Raiane Wentz, Agência Mentha

 

(JA, Set21)