Neurocirurgião da Unicamp e do Hospital Albert Einstein explica os motivos e principais pontos de atenção da doença

De acordo com dados recentes da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, o AVC (Acidente Vascular Cerebral), junto às doenças cardiovasculares, voltou a ser a causa mais comum de mortes no Brasil após o recuo da pandemia de covid-19. Somente nos quatro primeiros meses de 2022, foram registradas 35 mil mortes por AVC no país.

O AVC é uma das principais causas de morte não somente no Brasil, mas no mundo todo. ‘Pode estar relacionado a outras doenças, como hipertensão, doenças cardiovasculares, obesidade e doenças metabólicas, sedentarismo, colesterol e triglicérides alterados, diabetes, além do tabagismo e do alcoolismo, por exemplo’, afirma o Dr. Marcelo Valadares, médico neurocirurgião e pesquisador da Disciplina de Neurocirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp e do Hospital Albert Einstein. ‘Além disto, fatores genéticos também contribuem e, mesmo com cuidados, pessoas com histórico entre familiares de primeiro grau também podem ter tendência’, conclui o especialista.

Fatores comuns como o envelhecimento, por outro lado, também podem influenciar no desencadeamento de um Acidente Vascular Cerebral. De acordo com o Ministério da Saúde, pessoas com mais de 55 anos possuem maior propensão a desenvolver a doença.

O tratamento precoce, como ressalta o Dr. Marcelo Valadares, é essencial. ‘Quanto antes os sintomas forem identificados, maiores as chances que a pessoa não venha a falecer ou que tenha sequelas menores. O paciente que apresenta qualquer um dos sintomas de AVC deve ser levado imediatamente ao atendimento médico’, reforça.

O médico ressalta que os sintomas começam a se manifestar principalmente na área atingida pelo cérebro. Entre os principais sinais de AVC, estão: fortes dores de cabeça fortes, repentinas e acompanhadas de vômitos; fraqueza ou dormência em membros como pernas, braços ou na face, que geralmente afetam um dos lados do corpo; perda da visão ou dificuldade súbita para enxergar; dificuldades na fala e, por fim, a paralisia.

Qual é a diferença entre o AVC isquêmico e o hemorrágico?

O neurocirurgião da Unicamp e do Hospital Albert Einstein explica que existem dois tipos de AVC: o isquêmico e o hemorrágico. O mais comum, segundo dados do Ministério da Saúde, é o isquêmico, representando 85% dos casos registrados; o hemorrágico, que tem uma incidência menor pode, entretanto, causar mortes com mais frequência.

‘De forma geral, o AVC ocorre quando os vasos que levam sangue ao cérebro entopem ou se rompem, provocando uma paralisia nesta região. No isquêmico, que é o mais comum, a obstrução, devido a uma trombose ou embolia de uma artéria, impede a passagem de oxigênio para as células cerebrais. Já no caso do hemorrágico, o tipo mais grave de AVC, acontece o rompimento do vaso cerebral, provocando uma hemorragia’, explica o Dr. Marcelo Valadares.

Embora seja grave, nem todo AVC é cirúrgico. ‘Existem também tratamentos clínicos. Cada caso é identificado individualmente. Com o uso de medicação, mudanças no estilo de vida e recomendação de atividades físicas, existe também possibilidade de prevenir o AVC. Manter os exames de rotina em dia também é essencial, principalmente quando existem casos na família em parentes de primeiro grau’, afirma o neurocirurgião.

Fonte: Dr. Marcelo Valadares, médico neurocirurgião e pesquisador da Disciplina de Neurocirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp e do Hospital Albert Einstein | Nathalia Abreu, BCW

 

(JA, Jul22)