A velhice pode impactar tanto a saúde física quanto psicológica da pessoa, tendo em vista as limitações geradas por ela, além do aumento da sensação de solidão, abandono, entre outros, que podem levar à tristeza, depressão e demais aspectos. Para evitar que isso aconteça, é importante que o autocuidado seja estimulado nessa fase, por se tratar de um investimento que o idoso faz a si mesmo.

Apesar de ser uma prática relevante a ser executada com o intuito de promover saúde e bem-estar, muitos não sabem do que se trata, sua importância, benefícios e como colocá-la em prática. Pensando nisso, foi elaborada esta matéria.

O QUE É AUTOCUIDADO?

O autocuidado se refere ao conjunto de medidas que cada pessoa realiza para cuidar de si, e conquistar uma melhor qualidade de vida. A maneira como isso vai ser aplicado deve estar de acordo com as vontades, objetivos, interesses e prazeres de cada um, usando ações próprias para se cuidar.

Sendo assim, o autocuidado é importante para todas as pessoas, independentemente de faixa etária, gênero ou posição social, tendo em vista a sua capacidade de proporcionar benefícios para a saúde física, mental e emocional, o que consequentemente vai levar à melhora dos relacionamentos.

Além disso, os indivíduos que optam por adotar o autocuidado em sua rotina tendem a ser muito mais eficientes e produtivos, bem como conseguem estimular pensamentos positivos e desenvolver uma relação segura consigo mesmo.

O QUE NÃO PODE SER ENTENDIDO COMO AUTOCUIDADO?

Não pode ser inserido no conceito de autocuidado aquilo que as pessoas realizam sem gostar, sem ter vontade. Ou seja, aquilo que é feito apenas por obrigação.

O autocuidado não é egoísta, sendo assim, você não deve ouvir as outras pessoas, mas a si mesmo, obtendo as melhores respostas do que precisa fazer para se colocar em primeiro lugar e se valorizar. Esses hábitos devem recarregar, e não sugar suas energias.

QUAIS OS TIPOS DE AUTOCUIDADO?

Existem vários tipos de autocuidado. Para saber como investir em cada um deles da melhor forma, vamos explicar quais são os principais.

  • Físico

O primeiro tipo é o autocuidado físico, que está diretamente ligado ao cuidado com o corpo. Por este motivo, é importante manter uma alimentação saudável, praticar atividade física, e ter boas noites de sono.

  • Emocional

O autocuidado emocional é aquele que busca conectar as emoções, e ir em busca do autoconhecimento. Nesse caso, o ideal é contar com a ajuda de um profissional especializado, como um psicólogo, para ajudar você a lidar com o processo de buscar formas positivas para controlar todos os sentimentos que existem dentro de si.

  • Espiritual 

O autocuidado espiritual abrange a busca pela manutenção de uma rotina espiritual, como forma de conseguir se conectar com as sensações de amor-próprio, paz, e propósito de vida. Sendo assim, é interessante criar uma rotina de oração, meditação, conexão com a natureza, e outros hábitos que você acredita e lhe fazem bem.

  • Social

Autocuidado social está relacionado à conexão com outras pessoas, tendo em vista que, por intermédio da interação social e convivência do dia a dia, sua vida também sofre determinados impactos significativos. Então, esse é o momento de construir bons e saudáveis relacionamentos.

  • Intelectual 

O autocuidado intelectual é caracterizado pela busca de exercitar a mente, estimulando a criatividade e o pensamento crítico. Envolve os pensamentos internos, e o cultivo um intelecto saudável, que permite que você consiga expandir sua mentalidade e conhecimento.

QUAL A IMPORTÂNCIA PARA IDOSOS?

Os desafios para manter a qualidade de vida, bem-estar, e lidar com as doenças, são frequentes na vida daqueles que estão nessa fase da avida, a terceira idade. Por este motivo, é fundamental estimular o autocuidado como uma forma de promover a saúde e o desenvolvimento de hábitos, visando a manutenção da autonomia e um envelhecimento tranquilo e bem-sucedido.

O autocuidado deve ser visto como um suporte para a vivência de dias melhores da pessoa idosa, com uma proposta de empoderamento nessa etapa da vida tão difícil para muitas pessoas. Afinal, além da melhora na qualidade de vida, também fortalece a autoconfiança, autoestima, e aumenta o entendimento do idoso sobre a sua capacidade de tomar as decisões mais adequadas diante os obstáculos da vida cotidiana.

É importante ressaltar que todas essas vantagens minimizam o sofrimento psíquico e adoecimento físico, o que leva a uma redução considerável dos gastos com saúde.

COMO AJUDA A TER SAÚDE E BEM-ESTAR?

A saúde e o bem-estar têm tudo a ver com o autocuidado. Isso porque, quando a pessoa descuida de si mesmo, os reflexos dessa atitude surgem em determinado momento. Investir no autocuidado é uma estratégia eficiente para melhorar vários aspectos. A seguir vamos apresentar alguns dos seus benefícios.

  • Melhora a Qualidade de Vida 

Esse cuidado, que o indivíduo tem com ele mesmo, possibilita que consiga enxergar a vida não apenas como uma sequência de responsabilidades que devem ser cumpridas dentro de um período estimado por terceiros.

Claro que é preciso ter comprometimento para alcançar seus objetivos, mas vai ser capaz de mensurar as consequências, avaliando até onde vale a pena renunciar a algo para superar as expectativas. Isso também está abrangido quando falamos de maior qualidade de vida.

  • Aumenta a Autoconfiança 

Quando você cuida melhor de si mesmo, também é possível se conhecer um pouco mais, e aprender a ter confiança em seus sentimentos, capacidade e instintos. Desse jeito, o que parece ser impossível se transforma em algo mais simples de atingir.

  • Reduz os Gastos com a Saúde

Ao aplicar o autocuidado você também passa a ter mais atenção com a saúde, e não ignorar sinais e sintomas de que algo pode estar errado. Dessa forma, você recorrerá aos meios adequados para prevenir, o que é um excelente ato para minimizar os custos, além de tomar uma atitude totalmente necessária para evitar maiores problemas no futuro.

 

 

COMO MELHORAR O AUTOCUIDADO NA TERCEIRA IDADE?

Existem diversas medidas eficientes que podem ser aplicadas para melhorar o autocuidado na terceira idade e alcançar resultados incríveis. A seguir, vamos apresentar os mais utilizados.

  • Criar Bons Hábitos de Higiene 

Criar bons hábitos de higiene para si mesmo é indispensável para a preservação da saúde da pessoa na terceira idade. Isso ocorre pelo fato de que na velhice, o indivíduo se encontra mais propenso a ser contaminado por vírus, bactérias e demais agentes infecciosos. Manter um asseio adequado vai contribuir para a prevenção de algumas doenças.

No entanto, é preciso ressaltar que cada idoso tem as suas limitações. Então, nem sempre a higiene correta deve ser implementada como autocuidado. Em alguns casos, os familiares têm função decisiva ao dar condições para a pessoa se cuidar na velhice e, se preciso for, adaptar algumas áreas da residência que seja de uso dela, por exemplo, o banheiro.

  • Exercitar a Memória 

Outro ponto bastante relevante quando falamos da velhice é o cuidado com a saúde mental. Os anos vão passando é comum que as lembranças também vão embora. Além disso, a memória recente também pode ser afetada.

Nesse tipo de situação, o idoso pode realizar algumas atividades específicas para a mente, por exemplo, jogar palavras-cruzadas, jogos da memória, jogos de tabuleiros, e demais passatempos que podem ser considerados como uma espécie de ginástica laboral e grandes aliados para manter a memória sempre ativa.

  • Manter uma Alimentação Balanceada 

Estabelecer uma rotina de horários para fazer as refeições, e mastigar bem são algumas ações facilitam uma boa digestão. Além disso, é essencial incluir vitaminas, proteínas, cálcio e frutas na alimentação. Uma boa ideia para proporcionar autonomia é deixar com que o idoso defina qual é a melhor hora de comer.

  • Ter Boas Noites de Sono 

Ter um tempo de sono apropriado pode fazer toda a diferença. O período ideal vai depender de cada organismo, mas o recomendado é que o sono dure cerca de 8 horas por dia.

Para acordar com uma mente descansada, é importante respeitar alguns conselhos, tais como: evitar alimentações pesadas antes de dormir, evitar o uso de aparelhos eletrônicos quando for descansar, entre outros. Tenha em mente que noites mal dormidas reduzem a capacidade de concentração, e geram alterações de humor.

  • Praticar Atividades Físicas 

Caso o idoso não seja adepto às atividades físicas, essa pode ser uma boa oportunidade para começar um novo hábito. Afinal, realizar exercícios físicos favorece o apetite, o sono, além de proporcionar um bom funcionamento do intestino. Outros pontos positivos são a melhora da concentração, manutenção do equilíbrio, e coordenação motora.

No entanto, o mais indicado é consultar o médico para verificar quais são as atividades mais indicadas e permitidas para a pessoa praticar.

  • Organizar o Uso dos Medicamentos 

Pelo fato de a maioria dos idosos tomarem medicamentos todos os dias, é necessário considerar a pontualidade, e a forma exata de tomá-los. Agendar os horários corretos, e contar com o auxílio de um despertador, são boas opções. Esse hábito pode impactar de forma positiva no efeito dos remédios.

  • Reservar Momentos para o Lazer ou Hobby 

Poder ser a leitura de um livro, assistir a um filme, fazer um passeio com a família, ou outro hobby goste. O idoso precisa ter em mente que a vida é muito além do cumprimento da rotina e obrigações e, por este motivo, é necessário valorizar bons momentos consigo mesmo, sem uma finalidade preestabelecida.

  • Manter uma vida Social Ativa e Tranquila 

É preciso buscar ter uma vida social tranquila, e em harmonia com os familiares, amigos, entre outros. Afinal, ninguém vive sozinho, e contar com o auxílio de pessoas queridas, e tê-las por perto, também gera muitos benefícios para a saúde mental. Ter boas conversas, rir, se divertir, também é uma forma de autocuidado.

  • Fazer Consultas regularmente 

A saúde pode ser bastante instável nessa fase, por isso, é importante que se faça consultas com especialista de forma periódica e, assim, estar sempre informado a respeito do que é melhor para o seu bem-estar e qualidade de vida.

Qualquer mudança no dia a dia de uma pessoa que se encontra na terceira idade, mesmo que seja o início da prática de exercícios físicos, precisa passar pela avaliação de um médico, bem como a realização dos exames necessários para certificar que não há nenhum problema.

  • Buscar Auxílio na Psicoterapia 

Essa ajuda profissional pode contribuir para que o idoso entenda melhor a si mesmo, e suas tomadas de decisões, bem como auxiliar na resolução de conflitos e como ter uma vida com mais qualidade. Também, claro, tratar de problemas psicológicos, como a depressão e ansiedade, na busca de promoção de saúde mental.

 

 

COMO FAZER COM QUE OS CUIDADOS VIREM HÁBITOS?

Antes de colocar as recomendações de autocuidado em prática, é preciso avaliar de forma minuciosa o que realmente é necessário para a pessoa ficar bem no dia a dia.

A resposta a esta indagação vai envolver o exercício de autoconhecimento, a mudança de mentalidade e comportamentos. Sendo assim, a dica é reservar um período para essa reflexão.

Pense na rotina, e o quanto consegue cumprir dos seus planos. Também, veja o que está impedindo de alcançar aquilo que sempre busca, e como o tempo está sendo usado. Por exemplo, existem um período separado para exercer algumas das ações de autocuidado? Está disposto a passar por certas transformações?

É necessário ressaltar que mudar os hábitos de vida não é uma tarefa simples. Requer determinação e força de vontade. Por este motivo, entenda que é um processo longo, e que não será possível colocar tudo que planeja em prática da noite para o dia. Uma alternativa é fazer uma lista com tudo que deseja realizar, estabelecer prioridades, e dar um passo de cada vez.

Como pode perceber, o autocuidado é uma ação que deve ser praticada durante toda a vida. A forma como deve ser aplicado, vai depender de uma pessoa para a outra, sendo adequada às rotinas, necessidades, e limitações de cada uma, principalmente quando falamos de idosos.

As dicas acima apresentadas podem ser usadas como um direcionamento e, assim, contribuir para que a pessoa na terceira idade consiga cuidar melhor de si e das tarefas diárias, de forma autônoma, independente e feliz.

 

Fonte:  Doctor Shoes

(JA, Ago21)