Hoje todo mundo está na rede! O Brasil é um dos países mais importantes nas redes sociais tanto em penetração, quantidade de amigos como tempo de uso.
Quando conversamos sobre as estratégias online a maioria diz que o foco é o jovem, a famosa geração Y, mas que apesar deles serem ditadores de tendência focar no jovem como todo mundo está fazendo na verdade é um grande complicador de estratégia, pois como já dizia o livro Blue Ocean (W. Chan Kim e Renee Mauborgne) a melhor estratégia é sempre ir onde ninguém está olhando, não onde todos vão.

As pessoas mais maduras também estão na rede e com uma presença muito significativa, além de terem um enorme poder de compra. Entretanto eles usam a rede de modo diferente e entende-los e saber falar direito com este público é um divisor de águas para uma comunicação efetiva.
A grande diferença é que este público não foi criado no meio online. As pessoas mais maduras seguem as éticas e comportamentos do mundo off-line (fora da rede) até quando estão na rede. Seguem abaixo as principais diferenças entre os públicos:

Alcance: para as pessoas maduras o alcance da internet não é enxergado do mesmo modo que para o jovem. Com isso, elogios aos filhos e netos que são tão comuns na vida cotidiana passam a ser também na rede.
As pessoas mais maduras devido a sua vivência aprenderam que elogios são sempre bem aceitos, então por que não fazer o mesmo na rede? A diferença é que eles têm dificuldade de enxergar o alcance da mensagem e a mensagem que antes era fofa tem o poder até de alterar a imagem de alguém na rede, obviamente só em casos extremos. Mas espere ser chamado de chuchu, gorducho ou lindo da vó para ver o que acontece.

Reciprocidade: outra grande diferença é no comportamento nas respostas. As pessoas mais maduras sempre foram treinadas a responder sempre que falam com elas ou até mesmo quando uma informação chega até elas.
Com isso, têm dificuldade de lidar com o lado unilateral da internet. Onde certas ações não necessariamente precisam de respostas. Por exemplo, o usuário não tem que responder a todas às mensagens de parabéns que recebem, na maioria dos casos somente curtir já é suficiente e você pode até não responder, o que não é considerado falta de educação.
Mas para este consumidor onde responder sempre foi à regra, este novo paradigma da internet fica bem mais complicado de entender. É estranho você receber uma mensagem e não responder e pior: é estranho ver algo que a pessoa postou e não comentar em cima. Por conta disso, este público tem um nível de interação por amigo maior que os jovens.

Amizade: o outro ponto é sobre a quantidade de amigos, a definição de colega e amigo é bem diferente entre as idades. Os jovens que nasceram em mídias sociais têm muito mais facilidade de manter uma proximidade com um numero maior de amigos e colegas, mesmo pessoas que eles perdem contato continuam na lista de amigos e podem até trocar informações.
As pessoas mais maduras têm uma valorização de amizade bem diferente, em sua vida tiveram que fazer muito mais esforço para conquistar e manter as amizades, mais ligações, reuniões e etc.
Com isso, eles tendem a valorizar muito mais os amigos que têm e passam a ter uma dificuldade maior com a ideia de colocar no mesmo “bolo” os amigos dos colegas. Sendo assim, este consumidor tem uma quantidade de amigos muito menor que os jovens, mas o nível de interação com cada um deles é muito maior.

Como conclusão: as marcas e as pessoas têm que entender que o meio digital é universal, mas o modo de comunicação com cada público não é, é preciso aprender a se comunicar de modo diferente com cada categoria para ter uma ação mais otimizada.

FW – Petitebox

(JA, Fev15)