Foi em 1970. Meu colega Alvaro Cotrim, Alvarus, caricaturista, colaborador da histórica “Careta” e amigo de J. Carlos, entrou tiririca na Redação da revista em que trabalhávamos, na avenida Presidente Vargas. Acabara de ler a manchete de um jornal pendurado na banca: “Ancião é mordido no nariz por seu papagaio”. Seguia-se a notícia: “Fulano de Tal, português, 65 anos…”.

Em plena era beatle, Alvarus era um egresso da belle époque. Tinha bastos bigodes retorcidos, como os do barão do Rio Branco, usava gravata-borboleta e cheirava a talco francês. Mas sua indignação era justa. O homem tinha 65 anos, sua exata idade, e fora chamado de ancião. “Quer dizer que, apesar de nunca ter sido mordido por um papagaio, também sou ancião?”, esbravejou Alvarus. Logo ele, que só pensava em mulher.
Hoje, o politicamente correto impediria que se usasse essa palavra. Mas a que a substituiu não ajuda muito: idoso. E está o tempo todo na mídia. “Idoso assaltado sobrevive quatro dias, nu, em matagal no entorno de Brasília”, saiu outro dia. O idoso tinha 61 anos. Significa que, se eu próprio, aos 64, for encontrado nu num matagal em Brás de Pina, subúrbio carioca, também entrarei na categoria de idoso?

Ou: “PF prende idoso com fitas e vídeos de pedofilia no Paraná”. O gajo tinha 60 anos. Ou: “Idoso engasga com asa de frango na Bahia e morre” -62. Ou: “Bombeiros resgatam idoso que subiu em árvore no Rio e não conseguiu descer” -63. Enfim, tanto quanto os jovens e os homens de meia-idade, os chamados idosos vivem se metendo em encrencas pelo Brasil. Mas não se veem manchetes como “Homem de meia-idade é flagrado assaltando pipoqueiro em SP”.
Segundo o IBGE, passou de 60 já é idoso. Com direito a andar de graça em ônibus, pagar meia-entrada no teatro e o dobro do preço no plano de saúde.

RUY CASTRO, escritor e jornalista, já trabalhou nos jornais e nas revistas mais importantes do Rio e de São Paulo. Considerado um dos maiores biógrafos brasileiros, escreveu sobre Nelson Rodrigues, Garrincha e Carmen Miranda. Escreve às segundas, quartas, sextas e sábados na Página A2 da versão impressa.

Fonte: folha.uol.com.br/colunas/