Francisco Gonçalves Gamero realiza sonho e lança seu primeiro livro aos 96 anos

Francisco Gonçalves Gamero é natural da pequena cidade de Juruaia, em Minas Gerais. Ele descobriu o seu dom de escrever poesia quando adulto, mas só conseguiu divulgar seus textos e realizar seu sonho de publicar um livro na terceira idade, com a ajuda da filha.

Seu primeiro livro reúne poesias clássicas e foi lançado no litoral de São Paulo, em Praia Grande. Aos 96 anos, Francisco conta que a sua fonte de inspiração é a leitura diária de jornais e livros e que, para guardar todos os textos, aprendeu a mexer no computador e montou um arquivo cheio de artigos. “Eu acordo às 4h, vou para o computador e começa a vir uma frase. Depois vem outra e mais outra”, afirma.
O Francisco Gonçalves Gamero aprendeu a escrever em Muzambinho, também em Minas Gerais. Aos 22 anos, saiu do estado com destino a São Paulo, onde formou família e passou a trabalhar no mercado têxtil. Foi na Capital que ele descobriu o amor pela poesia.

Ao se aposentar mudou para Praia Grande, para onde levou os seus poemas. Ao ganhar o reconhecimento dos poetas da região, ele procurou algumas editoras na tentativa de lançar um livro apenas com suas obras, mas as edições ficaram mal elaboradas. A iniciativa que deu certo foi de uma das suas duas filhas, que preparou uma surpresa para o pai. “Ela pegou as poesias sem eu ver e tirou uma cópia. Ela leu, gostou, levou para uma editora e mostrou para eles. Sem me falar nada, ela chegou aqui com o livro. Ela sabia que eu estava indo atrás. Foi uma surpresa para mim. Ela trouxe para eu fazer a correção. E, quando o livro ficou pronto, ela veio trazer aqui 300 livros em três malas cheias!”, conta ele, empolgado.

O livro “Poeta do Coração” foi lançado oficialmente em junho de 2013, na biblioteca do Porto do Saber, da Prefeitura de Praia Grande, e já está registrado na Biblioteca Nacional. No dia do lançamento, ele autografou os livros, recebeu elogios de autoridades, amigos e outros poetas. Ao lembrar-se deste dia, Francisco se emociona. “Fiquei emocionado. É uma obra que a gente fez com carinho. É o meu sentimento gravado nisso aqui. Cada poesia tem um sentimento”, confessa ele.

Atualmente ele quer montar uma biografia, contando um pouco do que viveu e o que viu na vida. “Enquanto eu viver quero ser guia; quando eu morrer, deixo-vos meu exemplo”, finaliza.

Fonte: Por Redação Yahoo! Brasil