Os laços de amizade podem ser muito mais verdadeiros e sólidos do que os laços de sangue, especialmente na velhice.
Uma das principais motivações para justificar a decisão de ter filhos é o desejo de receber cuidado, amor e companhia na velhice.

Muitos perguntam para as mulheres que optam por não ter filhos: “Mas como vocês irão enfrentar uma velhice solitária?”.
No entanto, pesquisas revelam que a violência contra os velhos tem origem, em grande parte, dentro da própria família, em especial exercida por aqueles membros que deveriam proteger e cuidar deles.

Maus-tratos físicos e psicológicos, insultos, ameaças, espancamento, abandono, abusos financeiros, restrição da liberdade, negligência, recusa e omissão de cuidados por parte de filhos, de netos e de outros familiares são um quadro bem comum de violência contra os velhos.

Ao pesquisar mulheres de mais de 60 anos, percebi que a demanda por cuidado, carinho, respeito e escuta é satisfeita, basicamente, pelas amigas.

Uma professora de 66 anos disse: “Tenho três filhos, duas moças e um rapaz. Quando ligo para eles, só recebo patadas, estão sempre ocupados, trabalhando. Eles sempre me fazem sentir que estou incomodando, como se eu fosse um traste velho que só atrapalhasse a vida deles. Eles só ligam quando estão com algum problema. Em geral, quando precisam de dinheiro ou de uma ‘avó-babá’ para cuidar das crianças”.

Essa entrevistada conta que quem cuida dela são quatro amigas da época da faculdade. “Falamos quase todos os dias, saímos, viajamos, vamos jantar. Quando fiz uma cirurgia, elas se revezaram para cuidar de mim. Estamos sempre ligadas na saúde de cada uma, nas dietas, nos problemas com os filhos. Se não fosse por elas, eu estaria completamente só.”
Outras se consideram “sortudas”, pois, apesar de terem velhas amigas, conquistaram novas amigas em uma idade mais avançada.

Uma jornalista de 62 anos contou: “Nos últimos dez anos, fiz três grandes amigas. Faço questão de convidá-las para jantar, de telefonar sempre, de me colocar disponível para o que precisarem. Descobri que a minha maior riqueza são minhas amigas, as novas e as velhas”.

Minhas pesquisadas dizem que as amigas são a sua “verdadeira família”: a “família escolhida”, um compromisso afetivo construído cotidianamente, sem obrigações e sem cobranças.
Essas mulheres revelam que, especialmente na velhice, os laços de amizade podem ser muito mais verdadeiros e sólidos do que os laços de sangue.

 

mirian goldenberg

Mirian Goldenberg é antropóloga e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro. É autora de “Coroas: corpo, envelhecimento, casamento e infidelidade” (Ed. Record). Escreve às terças, a cada 15 dias na versão impressa de “Equilíbrio”.
FONTE: folha / coluna miran goldenberg